Você já ouviu falar das 5 forças de Porter?

 

O modelo publicado  por Michael Porter, visa criar um padrão para análise mercadológica da atratividade do seu negócio. Neste artigo, vou tentar explicar como adaptar e aplicar ao seu Estacionamento. O modelo de Porter se pauta em 5 forças chaves, são elas:

 

cinco_forcas_porter

1ª – Rivalidade entre os concorrentes, 2ª – A ameaça de entrada de novas negócios, 3ª – ameaça de serviços substitutos, 4ª – o poder dos fornecedores, 5ª  – o poder dos clientes (compradores).

 

1ª – Rivalidade entre os concorrentes

A mais importante das forças, determina a atividade e a agressividade dos concorrentes diretos, ou seja, aqueles estacionamentos em que estão próximos e praticam mesmo preço e publico alvo devem ser incluídos nesta força. E nisso entra o PARKEER, pois é uma ferramenta poderosíssima para se abstrair dados relevantes, agregando know-how ao gestor. A exatidão das informações é o principal ponto desta etapa, pois o “achômetro” esbarra numa variação muito grande de dados em função do volume de informações que o negócio produz, e o software impede que este tipo de deslize aconteça no preenchimento da principal Força da matriz.

2ª – Ameaça de novos entrantes

Nesta etapa devemos analisar quem é novo no mercado e quais diferenciais deles em relação ao nosso negócio, também deve-se levar em conta novos diferenciais dos concorrentes existentes. Este item pode ser um dos mais difíceis de ser formatado, pois nem sempre as informações dos futuros concorrentes estão (ou são) visíveis.

É necessário “desenhar” barreiras de contingência para cada concorrente, criar métodos para barrar os pontos fontes dos concorrentes.

Exemplos:

  • Se o concorrente pratica um preço mais barato, tente convênios com os negócios mais próximos;
  • Se o concorrente é muito superior no rotativo e não possui mensalistas, tente trabalhar com mensalistas, convênios, vouchers, etc.
  • Outro item importante é o atendimento 😉

 

 

3ª – Ameaça de serviços substitutos

Aqui, determinamos outros serviços que o seu estacionamento não presta, mas substituem os serviços prestados por ele, com funções similares.  Por exemplo o parquímetro, que acaba criando vagas nas áreas públicas e acabam substituindo de certa forma sua atividade fim (guarda de veículos). Um exemplo que gosto de utilizar é que o micro-ondas substitui a função do forno, tal como o lava-rápido do posto de gasolina substitui a lavagem básica. O gestor do estacionamento pode definir estas forças contrárias e também criar métodos de contingência delas.

 

 

4ª – Poder de barganha com fornecedores

 

Esta etapa, está intrinsecamente relacionada com a compra e venda de produtos, o que não é o nosso caso. Gosto de substituí-la por uma análise dos recursos, instalações, pessoas, muito semelhante à 2ª força, porém mais analítica. A análise desses pontos está relacionada à experiência dos nossos clientes com o estacionamento, e consequentemente sua fidelização. Você pode criar novos padrões de atendimento, melhorar estruturas etc. Seu atendimento é normal, médio ou muito bom? Como é o atendimento dos concorrentes? Suas instalações são normais, boas, ou muito boas? Faça uma análise e tente melhorar estes aspectos.

 

5ª – Poder de barganha dos clientes

O que define esta força é a intenção dos seus clientes ou possíveis clientes (leads) em relação ao seu serviço. Sim, a maioria dos casos o que define isso é os valores praticados, mas é de extrema relevância analisar quais clientes representam o maior percentual de faturamento do estacionamento. Quanto menor a concentração de faturamento em determinados clientes, menor será o poder de barganha deles. Por exemplo, se você tem um estacionamento próximo a uma universidade, com muitos possíveis mensalistas aguardando uma vaga, e um cliente que paga pouco por mês, o poder de barganha deste cliente é quase nenhum, ou, em um caso contrário, você possuir muitas vagas livres e clientes que pagam um valor considerável, estes clientes tem um poder maior de barganha.

 

Conclusão

Uma vez analisadas estas 5 forças, deve-se fazer um cruzamento de dados e definir as estratégias e o posicionamento para seu negócio. Se qualquer uma das 5 Forças de Porter sofrer alguma alteração, é necessário refazer as etapas acima.